terça-feira, março 19, 2019

 

A questão dos Templários

O que terá levado Brenton Tarrant, o suspeito terrorista da Nova Zelândia, a visitar a Ordem dos Templários? Não se sabe, mas conhecem-se histórias interessantes que estiveram na origem dessa Ordem em Portugal.

Durante o Papado de Avinhão, conhecido por Grande Cisma do Ocidente (1309-1417) vieram ao de cima as grandes contradições que existiam no interior da Igreja e a promiscuidade entre poder temporal e espiritual, com interferências recíprocas. Tudo começou com Filipe IV, de França (1268-1314), cognominado o Belo. Devido ao desmesurado esbanjamento com a vida de luxúria e espavento da corte, os cofres do seu reino foram ficando vazios e a coroa, cheia de dívidas, tinha, como maior credor, a Ordem dos Templários que regressara á Europa depois da perda dos últimos bastiões na Terra Santa.

Esta Ordem tinha sido fundada em 1096 com o propósito de proteger os cristãos que se dirigiam para Jerusalém após a sua conquista. Os seus membros faziam voto de pobreza, entregavam todos os seus bens à Ordem e, durante o tempo em que as cruzadas empolgaram a Europa, foram-lhes doadas milhares de propriedades. Desenvolveram uma intensa actividade económica, criando, nos locais por onde seguiam os peregrinos, uma rede de postos bancários onde, com uma carta de crédito, se poderia levantar em moeda o equivalente depositado na Ordem.

Era conhecida a fortuna colossal que os templários detinham. Sabendo disso, Filipe IV, para fazer face às dificuldades financeiras do seu reino, recorreu aos templários para obter um empréstimo fabuloso que lhe permitisse resolver os problemas financeiros do reino. Mas, mesmo assim, não conseguiu saldar as dívidas. Decidiu-se, então, pelo confisco dos bens dos judeus e banqueiros e lançou um imposto sobre o clero e mosteiros. O Papa Bonifácio VIII, alertado para esta situação, emitiu a bula Clericis Laicos, onde declarava a superioridade do poder espiritual sobre o temporal, proibindo aos príncipes seculares aplicar ao clero qualquer imposto, o que retirou legitimidade ao Rei de França para os impostos que lançara. Irritado, Filipe IV tentou por intrigas e acusações várias demover o Papa. Não o conseguindo, enviou uma força armada a Roma para o depor. A violência com que foi tratado, acabou por levá-lo à morte. Depois de um período conturbado, o Rei de França conseguiu que fosse eleito o cardeal francês Clemente V, que, submisso ao Rei, transferiu a sede do papado para Avignon, com toda a sua estrutura  institucional, nomeadamente o Tribunal da Inquisição, ficando para a ortodoxia romana conhecido como antipapa.

Como a dívida aos Templários era enorme, Filipe IV fez deles inimigos da ortodoxia cristã, visando extinguir a Ordem para extinguir a dívida. Aproveitou a capacidade de influenciar o Papa para acusar os Templários de pregar heresias, praticar a sodomia e de levarem uma vida devassa.

Fazendo insistentemente estas acusações, conseguiu que Clemente V, o papa de Avinhão (que lhe era submisso) colocasse os inquisidores que agradavam ao Rei a averiguar o caso no Tribunal do Santo Ofício.

A Ordem foi sujeita a torturas para confirmar as acusações de Filipe IV de França. Nada adiantou aos 573 cavaleiros que, em defesa da verdade, afirmaram que as confissões tinham sido arrancadas pela tortura e as acusações eram difamantes.

Filipe IV não descansou e conseguiu que o (seu) papa, pela bula Vox Clamantis, em 1312, extinguisse  a Ordem e sentenciasse os seus principais cavaleiros à prisão perpétua. Ao ouvirem a sentença, o grão-mestre Jacques Molay e outros, em pleno Tribunal, levantaram a voz para bradarem sua inocência e denunciarem o labéu. Devido a esse acto, considerado de insubmissão, nesse mesmo dia, armou-se uma fogueira e foram queimados vivos.

Extinta a Ordem, o Rei ficou sem o seu credor e, por isso, achou prescrita a dívida e os bens, que os Templários dispunham, foram distribuídos pela coroa e pelo papado.

Nessa altura, o rei de Portugal, D. Diniz, não só disponibilizou o Reino para receber os perseguidos, que chegavam de França e de outros países, como transferiu todo o património, que os Templários ainda conseguiram juntar, para uma nova Ordem, a Ordem de Cristo, que lhes foi entregue. E disponibilizou-lhes o castelo de Tomar para se organizarem em Portugal. Com os Templários difundiu-se em Portugal os conhecimentos adquirido no transporte de peregrinos entre a Europa e o Oriente Médio,  bem como tecnologia náutica, mapas e livros de viagens que, mais tarde, o Infante D. Henrique soube aproveitar para o desenvolvimento da expansão marítima.

Fracassada a tentativa de reconciliação com um concílio em Pisa, em 1409, o Cisma passou a ter três papas rivais à cabeça da cristandade: o de Roma, Gregório XII, apoiado pela Itália, Inglaterra, Polónia, Hungria e Portugal; o de Avignon, Bento XIII, apoiado pela França, Castela, Aragão, reino da Sicília e de Chipre; o de Pisa, o Arcebispo de Milão, o grego Petros Filargis, apoiado pela Grécia e por uma parte de Itália, que escolhe o sobrenome de Alexandre V.

Oito anos depois, em 1417, com o apoio de Sigismundo Imperador Romano-Germânico, foi convocado o Concílio de Constança. Foi acalmada, então, a vontade secular dos monarcas e tornou-se consensual a necessidade dos três papas abdicarem para ser escolhido um terceiro que, definitivamente, ficaria em Roma. E foi eleito Otto de Colonna como Papa Martinho V, colocando-se uma pedra no Grande Cisma Papal do Ocidente. E Tomar continuou com os Templários, antigos cavaleiros da Guerra Santa contra os infiéis!

segunda-feira, dezembro 10, 2018

 
Neste dia comemoram-se os DIREITOS HUMANOS
Os direitos humanos estão associados ao exercício da cidadania na defesa da democracia e de uma solidariedade antropocósmica, em que o homem (e não o capital) seja o centro do cosmos.
Nem sempre o legal coincide com o justo e se obedecer à lei é um imperativo cívico, ser justo é um imperativo ético: correspondem a um dever incondicional.
Como reacção, a uma globalização do mercado vai-se opondo uma globalização da cidadania exercida através das Organizações Não Governamentais (ONGs) que lutam pelos direitos humanos: culturais, ecológicos, defesa das minorias, etc. Também nesta fase, surgem os movimentos feministas, pacifistas, anti-racistas, anti-nuclear, etc., o direito à intimidade e à privacidade, à objecção de consciência e à diferença nos comportamentos sexuais.
Vivemos hoje num mundo cheio de paradoxos: por um lado, tudo parece possível à inteligência, desde compreender os mecanismos da vida até desbravar o espaço; por outro, em alguns países, muitos homens sofrem a tortura, a fome, a perseguição por motivos religiosos, políticos e de raça e são condenados à morte, a fugirem dos seus países e a viverem em situações infra-humanas. Mas há ainda outros problemas, mulheres, crianças e velhos são desrespeitados na sua dignidade e nos seus direitos. Comemorar a criação dos direitos humanos é alargar a consciência de que não há outra forma se ser humano a não ser a de respeitar a dignidade, os direitos de cada um dos nossos semelhantes.
Obviamente, os Direitos Humanos não podem ser olhados como um conjunto de deveres independentes da vida que vivemos no da-a-dia.
Se quiséssemos um inventário genérico dos direitos humanos, poderíamos dizer que estes consubstanciam os seguintes direitos:
 à vida,
 à integridade pessoal (a não sofrer mutilação física ou psíquica)
 a não ser maltratado, nem torturado;
 a não ser condenado sem processo prévio
 à intimidade da vida privada;
 a exercer a cidadania
 ao segredo da correspondência;
 à inviolabilidade do domicílio;
 ao bom nome e à fama;
 à escolha de estado: solteiro, casado, etc.;
 à livre expressão do pensamento;
 à informação;
 a escolher residência e a deslocar-se de um lugar para o outro;
 à educação; ao descanso; a associar-se para conseguir fins lícitos: económicos, culturais, religiosos, etc.
 a utilizar o próprio idioma e viver segundo a própria cultura;
 à qualidade de vida;
 à preservação das espécies
 etc.
Estes direitos não surgiram todos ao mesmo tempo e, por isso, podemos falar de várias gerações dos direitos humanos.
A primeira geração dos direitos humanos surgiu como reacção à desigualdade política e cívica. Esta fase corresponde ao projecto de emancipação do homem da modernidade. O liberalismo do séc. XVIII até ao século XIX cobriu o período de expansão e consolidação dos direitos civis e políticos -- direito à propriedade, a uma nacionalidade, à liberdade de reunião, a eleger e ser eleito, a circular livremente, ao bom-nome, etc.
A segunda geração ganha força com a reacção às desigualdades sócio-económicas e à exploração do homem pelo homem. Corresponde à ideia de Estado Social de Direito. É o período da conquista dos direitos sociais e económicos, direito ao trabalho, ao lazer, à organização sindical, à segurança social, à instrução, etc.
A terceira geração aparece como reacção à desigualdade cultural, à massificação social e à globalização. Corresponde à crise do modelo de crescimento económico apoiado na ideia de industrialização intensiva e à crise do Estado-Providência. Procuram também dar resposta à globalização, entendida como o “mercado da aldeia global”.
Os próprios problemas suscitados pelos progressos científicos e tecnológicos no domínio da biologia, da medicina, da saúde e da informação colocam, nos nossos dias, problemas de natureza ética e social. Fala-se já na Quarta Geração dos Direitos Humanos que compreende a protecção de dados pessoais face à informática, a defesa da dignidade da pessoa humana nos transplantes, nos progressos da engenharia genética e sua aplicação, nomeadamente nas experiências com embriões para obter indivíduos com idêntico património genético (clonagem).

terça-feira, setembro 11, 2018

 
 Apareça e traga consigo mais um amigo!

segunda-feira, setembro 03, 2018

 

Seguir os bons exemplos como forma de os dignificar!



Estou de acordo com D. António Marto, que admiro e de quem sou amigo. Mas o ataque ao Papa Francisco não é só feito pela carta ignóbil de um ex-núncio ou por outras difamações, mas também por práticas que nas dioceses contradizem a postura do Papa, com a falta de diálogo e até de avaliação humana do trabalho de alguns sacerdotes. Estou-me a lembrar da forma como foram corridos alguns padres na diocese do Porto das direções de colégios, nomeadamente o Padre Clemente do Colégio de Amarante. A Igreja do Papa Francisco deveria seguir o seu exemplo e ser una no modo de ver a vida, os homens e o papel da formação intelectual e humana dos seus colégios. É, de fato, perturbante que se possa pensar que um colégio diocesano tem de dar lucro e que uma administração que não os apresente seja demitida de forma pior do que há quem demita uma funcionária de limpeza. O padre Clemente parece estar com residência fixa, não podendo passear no colégio nem falar com professores ou alunos! E estranho que, sendo Amarante, uma terra de gente solidária e de ideias liberais, ainda não tenha levado a cabo uma manifestação de solidariedade para com o diretor do seu Colégio, sabendo-se que foi sempre muito admirado e estimado entre os amarantinos! Sabe-se que ele não quer, mas isso não tira que se faça um almoço da sua despedida do Colégio - e isso já era um sinal de apoio, numa altura que se sabe que o padre Clemente tem sofrido com esta situação!

sexta-feira, agosto 10, 2018

 

Dia do Concelho do Marco de Canaveses-Dia de Nossa Senhora do Castelinho

Poucos concelhos terão na sua origem uma história tão próxima da natureza humana, tão configuradora da ideia de segurança, de transcendência e bem-estar, como o Marco de Canaveses.

No dia 3 de janeiro de 1852 faleceu o sargento-mor das milícias do julgado de Bem-Viver, José Joaquim de Abreu e Lemos, fidalgo do solar de Carrapatelo. Era dia de feira no lugar do “Marco”, assim chamado pela pedra (marco) que aí limitava dois coutos que vieram a dar origem às freguesias de Fornos, S. Nicolau e Tuias. Por se situar numa planura e no limite das comarcas de Canaveses, Tuias e Soalhães era nesse espaço que se realizavam famosas feiras nos dias 3 e 15 de cada mês. Também foi nesse local que se levantou a Casa Municipal do Concelho de Soalhães e mais tarde, depois da fundação do Concelho do Marco o  edifício da sua Câmara Municipal.


A morte do Fidalgo de Carrapatelo foi notícia na Feira que se realizava nesse dia. Um tal Vinagre, que fazia comércio de azeite e de outros géneros, estava com alguns problemas financeiros e sonhou logo com o “golpe”. Levou a nova ao José e ao António, morgadinhos de Canaveses (filhos de um fidalgo falido) que já haviam colaborado com o Zé do Telhado. Os três avaliaram as vantagens do assalto à casa do Fidalgo e os morgadinhos levaram a sugestão ao Zé do Telhado. Ficou combinado contratar gente de confiança que, no dia 7, se encontraria, à meia-noite, numa corte situada junto à capela de S. Braz, em Fandinhães, Paços de Gaiolo, para planear o assalto que se realizaria no dia seguinte. (foto da capela)

 
Acertadas as incumbências de cada um, no dia 8, ao princípio da noite, a quadrilha, que comportava cerca de 30 homens, capitaneada por Zé do Telhado, partiu para o roubo. Por volta das nove horas forçaram a porta da cozinha e penetraram no Solar. O Zé do Telhado obrigou D. Ana Vitória, filha do Fidalgo, a entregar-lhe todos os valores que seu pai lhe tinha deixado. Entretanto outros elementos da quadrilha iam roubando as peças
de ouro e prata que as senhoras que, nessa altura, estavam no Solar traziam. O pior, foi terem morto a tiro o criado João Carvalho que se opôs à entrada da quadrilha. Tudo isto criou uma tremenda insegurança e manchou a dignidade do povo desta terra. O Sr. Adriano da Picota, como era conhecido o deputado e administrador do Concelho de Soalhães, jurou que prenderia Zé do Telhado, estivesse onde estivesse. Solicitou ao Governador Civil do Porto, Visconde de Podentes, um alvará que lhe permitisse entrar nos concelhos vizinhos para prender o salteador e a sua gente, o que lhe foi concedido. Simultaneamente envolveu os seus primos António Nogueira Soares, Afonso Joaquim Nogueira Soares e Rodrigo Nogueira Soares, notáveis personalidades do movimento da Regeneração, na necessidade de criar um concelho que agregasse as comarcas vizinhas por forma a desenvencilhar as autoridades dos empecilhos burocráticos, que não permitiam à justiça de uma comarca entrar noutra, sem autorização do seu administrador.

 Pelo Decreto de 31 de Março de 1852, D. Maria II satisfaz a vontade de Adriano José de Carvalho e Mello e cria o Concelho do Marco de Canaveses.
No artº 1º estabelecia: “São reunidos num só concelho, os concelhos de Soalhães e de Benviver”.  E no artº 2º dizia-se:  “O novo concelho passa a ser denominado Marco de Canaveses” e os seus habitantes marcoenses.



Adriano José de Carvalho e Mello era um devoto de Nossa Senhora da Natividade (protetora da maternidade e do aleitamento). A
 
Divindade terá aparecido num penedo do lugar conhecido por Castelinho onde se construiu, em tempos muito antigos, uma Ermida. Diz-se que no penedo ainda há marcas dos pés da Virgem, onde “não pega o musgo, nem a muinha”.

Um dos sonhos de Adriano José de Carvalho e Mello era transformar a Ermida num Santuário semelhante ao Bom Jesus de Braga (símbolo do sucesso da Restauração: libertação de Portugal do jugo espanhol), onde trabalhou, como como santeiro, um marcoense ilustre, Monteiro da Rocha, irmão de uma das personalidades mais famosas no sé. XVIII, o Padre José Monteiro da Rocha, astrónomo. lente na Universidade de Coimbra, natural de Canaveses. 

Já como administrador do Concelho  fundou, com esse sentido, a irmandade do Castelinho e procurou que a devoção à Nossa Senhora do Castelinho se tornasse num símbolo da proteção divina, da regeneração e do patriotismo. A cumprir essa intenção, ainda hoje os combatentes têm um encontro anual no Castelinho.
Faleceu, sem ver satisfeita a sua vontade de consagrar o Concelho do Marco de Canaveses a nossa Senhora do Castelinho.
As figuras do núcleo da União Nacional pretenderam tornar feriado municipal o dia 28 de Maio. Mas a política do governo tinha, como princípio,  fazer dessa data um feriado que representasse o espírito de corpo da nação e, por isso, tornou ilegal qualquer marcação de feriados concelhios nessa data.

No dia 22 de Setembro de 1949, o recém-nomeado presidente do Concelho, Dr. Cabral de Matos, dentro do espírito do Fundador do Concelho, faz aprovar em reunião da Câmara, a consagração do Marco de Canaveses a Nossa Senhora do Castelinho e é fixado o dia 8 de Setembro (dia da celebração religiosa), feriado municipal.
No dia 12 de Setembro de 1957, o ex-libris do Marco, o seu Jardim Municipal, recebeu, com pompa e circunstância, o busto do Fundador do Concelho, custeado por uma subscrição pública. Não era para ser aí colocado, mas em frente ao edifício da Câmara, como seria, por direito, o seu local próprio. Assim pensavam os marcoenses que defendiam que o Jardim Municipal, sendo pensado à imagem das “Cidades-jardim” (uma ideia romântica defensora do bem-estar e qualidade de vida) pelo presidente Dr. Cabral de Matos, notário no Concelho e natural de Mangualde, deveria honrar a sua memória, recebendo o seu nome.
Nas contendas políticas da altura ganhou a fação contrária a esta ideia. O busto de Adriano José de Carvalho e Mello foi, em festa, colocado no Jardim Municipal e a inauguração da obra do Dr. Cabral de Matos foi sendo adiada, acabando por ficar esquecida até ao nosso tempo, talvez para não lembrar o seu obreiro. Mas o Jardim, mesmo sem ser inaugurado, foi incorporando diferentes inaugurações, afirmando-se como uma das melhores referências do Concelho.

quarta-feira, julho 25, 2018

 

Pais da democracia?


Esta ideia do Prof. Dr. Marcelo, nosso Presidente da República e dos afetos, justificar a ida de Mário Soares e de Sá Carneiro para o Panteão (lugar dos deuses) por serem os pais da democracia, deixa-me perplexo!... Respeito muito esses senhores, mas chamar-lhes pais da democracia é que não me parece bem.A função edificante da história apareceu nos nossos primeiros livros, alimentou mentiras, criou mitos, fez nascer meias verdades, foi tendenciosa e predispôs-nos para ter como certo que a nossa pátria é a melhor de todas as pátrias, os nossos generais os mais valentes de todos os generais, os nossos governantes os que sempre tiveram razão e o nosso povo o que devia ficar-lhes sempre muito grato, mesmo que o espoliassem e muito mal o tratassem.
É com esta história que faz sentido os pais da democracia! Mas a História que nos traz os pais da democracia tem um efeito hipnótico! Faz luz só para um lado e deixa na sombra, rejeita ou atira para a escuridão do esquecimento a outra parte, a dos que morreram nas prisões, foram perseguidos, perderam emprego, deram as mãos em manifestações proibidas e criaram aquelas circunstâncias que fazem acabar com as ditaduras. Se eles não são os pais, são, pelo menos, as sementes que fizeram surgir a primavera da nossa vida coletiva. E não há pai para eles!
E os Capitães de Abril que, saturados de uma guerra sem fim, interpretando o sentimento das multidões que fizeram as manifestações perderam os filhos nas guerras e nesse dia subiram para os tanques bélicos, cravaram-lhes cravos e nas bocas das metralhadoras, ficarão órfãos?
http://www.tvi24.iol.pt/politica/marcelo-rebelo-de-sousa/marcelo-diz-que-sa-carneiro-e-mario-soares-merecem-panteao-sao-pais-da-democracia







sexta-feira, junho 22, 2018

 

Extrema-direita

Os meus amigos, uma grande maioria de esquerda, sempre que lhes falo do que está a acontecer no Sporting, respondem-me: “Isso é lá com eles!” Continuo a pensar que o que está a acontecer com esse clube é paradigmático do avanço da extrema-direita, que entra pelo futebol, que é, talvez, o grande palco dos políticos e da política. O caso Bruno de Carvalho deveria pôr-nos, a todos, a pensar. É um exemplo típico duma relação fascista, troglodita, entre um líder e os seus seguidores. Essa relação baseia-se em ressentimentos, medos, condicionamentos de emoções, num despotismo patriarcal que constroi inimigos! Nada, mesmo nada, tem a ver com princípios racionais, democráticos, respeito pelo normal funcionamento das instituições e até de civismo. O caso é mais perigoso do que muita gente pensa! Bruno de Carvalho não está sozinho: acompanham-no os que não acreditam na lei, nos princípios e nos valores democráticos. Bruno de Carvalho, com o seu autoritarismo troglodita, tornou-se o líder dos fora-da-lei. E estes são todos os cansados da democracia formal, feita de palavras e com pouca substância na resolução dos problemas dos mais marginalizados pelo poder. Não tenham dúvidas!!!

segunda-feira, abril 30, 2018

 

Viva o Primeiro de Maio!


Viva o Primeiro de Maio!

Vivam os trabalhadores que em Chicago no primeiro dia de Maio, em 1886, levantaram bem alto a luta pelos seus diretos, nomeadamente de 8 horas de trabalho diário. Honremos os que morreram nessa luta e todos os que ainda hoje são mortos por defenderem que não há trabalho sem direitos.

Hoje o capitalismo não é idêntico ao de 1886. Perdeu o rosto e tornou-se financeiro e global. Mas o trabalho sem direitos ou com poucos direitos regressou com os recibos verdes, o trabalho temporário, etc.

Precisamos de refletir sobre a miséria imerecida do nosso tempo! Os ideais do Primeiro de Maio precisam de se ajustar aos novos tempos do imperialismo financeiro global, que, num darwinismo social, torna os ricos cada vez mais ricos e em menor número e os pobres cada vez mais pobres e em maior número.

Comemorar o Primeiro de Maio sem uma reflexão sobre os novos problemas que se colocam ao mundo do trabalho é esvaziar o sentido deste dia. Oxalá que os discursos de amanhã não sejam tão longos como repetitivos. Oxalá que amanhã se honre a luta dos que deram dignidade a todos os que vivem do valor do seu esforço físico.

Viva o primeiro de Maio!

segunda-feira, abril 23, 2018

 

25 De Abril


A Associação dos Amigos do Concelho do Marco de Canaveses comemorou o 25 de Abril. Este ano, tivemos de fazer a festa no dia 21 de Abril. O Capitão de Abril Rodrigo Sousa Castro só podia estar entre nós neste dia. Depois de um almoço de convívio e do nosso capitão de Abril assinar o livro de honra da nossa Associação, decorreu a palestra no Auditório Municipal, com a presença do vice-Presidente da Câmara. É muito difícil falar desta comemoração, quando um Capitão de Abril nos faz sentir por dentro o seu testemunho, numa linguagem simples, sem floreados. Lembrou-nos alguns episódios completamente ignorados pela história da Revolução dos Cravos, nomeadamente da dificuldade em comunicar com o coronel Corvalho por avaria no intercomunicador de sua casa e dois jovens a quem dera boleia para Lisboa, solicitando-lhes que a essa hora da noite, duas da manhã, não o deixassem dormir. Serviu-se do powerpoint para nos dar conta dos febris passos que acompanharam o decorrer da noite de véspera, em que tudo deveria ficar pronto para que ao som da Grândola Vila Morena se abrisse o caminho da luz da madrugada de Abril, a que nos trouxera a afirmação da nossa dignidade colectiva, a democracia e nos permitisse perder o medo de usar da liberdade.

É difícil falar sobre esta comunicação do Capitão de Abril Sousa Castro, tão viva, confessando o desfilar de um sofrido sonho sem sono, que nos fez sentir a verdade imensa que há neste poema de Sophia.

25 de Abril

Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo

Sophia de Mello Breyner Andresen

sexta-feira, abril 13, 2018

 

Comemoração do 25 de Abril


  1. A Associação dos Amigos do Marco, vai, como é habitual, comemorar o 25 de Abril.
    Este ano as comemorações vão efectuar-se no dia 21 de Abril (sábado) através de uma sessão solene a realizar no Auditório Municipal e que contará com a presença do Coronel Sousa e Castro, Capitão de Abril e Membro do Conselho da Revolução.
    É uma oportunidade para conhecer e conviver com um dos homens fortes do Movimento das Forças Armadas que em 1974 derrubou a ditadura de Salazar e Caetano e
    devolveu a liberdade ao nosso País.
    Antes da sessão solene, pelas 13h00 vai realizar-se um almoço comemorativo no Restaurante Magalhães, nesta cidade.
    A AAM CONVIDA TODOS OS MARCOENSES A ASSOCIAREM-SE A ESTE ACTO, QUE TERÁ ENTRADA LIVRE NO AUDITÓRIO MUNICIPAL A PARTIR DAS 16H00.

segunda-feira, abril 09, 2018

 


Convém não esquecer isto!


Comemora-se, hoje, o aniversário da Batalha de La Lys

Portugal foi para a Guerra para não perder as colónias cobiçadas, na altura, pelos ingleses e alemães. Escrevi com o saudoso amigo Coronel Virgílio Barreto Magalhães um livro sobre um nosso conterrâneo, combatente e médico nessa Grande Guerra: “Fernando de Miranda Monterroso, O Homem, O Herói e o Benemérito”.


Quisemos fazer a memória deste Homem bom pela seguinte razão: Este homem bom, herói de guerra e benemérito da nossa terra estava praticamente esquecido e até a sua foto tinha desaparecido do Asilo que a expensas suas tinha criado no Marco. Este Militar deixou grande parte da sua fortuna à Misericórdia do Marco e criou três bolsas de estudo, que serviram de exemplo a que outras fossem criadas pela autarquia.


Sobre a Batalha de La Lys, deixamos escrito o seguinte:” Esta incursão (dos alemães), desenhada numa situação de desespero, teve como seu arquitecto, o General (alemão) Erich Ludendorff. Concebeu-a para ser em grande escala, aterradora, feita de rompante, em massa e numa altura que pudesse surpreender o lado mais frágil das tropas luso-inglesas que ocupavam a Flandres. Deu-lhe o nome de “operação Georgette”, e entregou o seu comando ao General Ferdinand von Quast.


Esse lado era o que estava a cargo das tropas portuguesas, praticamente abandonadas por Portugal, depois do golpe de estado, com que Sidónio Pais tomou conta do poder, prendendo Afonso Costa, chefe do Governo, e exilando o Presidente da República.

(…)

Por volta das 4h15m da madrugada desse dia, arrancou, de surpresa o ataque. Mais de um milhar de bocas de fogo dispararam sobre a frente ocupada pelas tropas portuguesas e o seu impacto foi sentido como um terramoto horrendo e inimaginável, abrindo crateras com mais de 20 metros de diâmetro que engoliam soldados e armamento.


Este ataque intenso, massivo e em profundidade foi feito com oito Divisões (cerca de 55mil homens) numa primeira linha, cinco na segunda e três na terceira. Teve como alvo o 11º Corpo Britânico e o CEP que, como sabemos, ocupavam uma área de 55 km de frente, entre as localidades de Gravelle e de Armentiére. Mas o grosso do ataque fez-se contra o sector considerado mais débil, o ocupado pela 2º Divisão das tropas portuguesas.



A resistência em linha, como era a das trincheiras, sem capacidade de mobilidade, cedeu e as forças alemãs romperam o flanco esquerdo da defesa portuguesa, onde se fazia a ligação entre as forças das tropas comandadas pelo general Gomes da Costa e as forças britânicas da 40ª Divisão.

(…)

Por volta das 8h30m já não havia praticamente combatentes portugueses na primeira linha e a “avalanche” avançou como um rolo compressor sobre a linha B, atingindo rapidamente a zona das aldeias. Tudo foi feito com violentíssimos bombardeamentos de artilharia e ataques de gás que destruíram a 1ª e a 2ª linha de infantaria e cortaram as comunicações telefónicas e telegráficas.

As explosões de granadas e obuses passaram a atingir os comandos das brigadas, as posições da artilharia da Segunda Divisão do CEP, inclusivamente o seu Quartel-general.

A “chuva de metralhada”, como lhe chamou Augusto Casimiro (um poeta com o posto de capitão, natural de Amarante) no seu livro “Calvário da Flandres”, arrasou tudo e todos. O intenso fogo, o bombardeamento dos aviões e as granadas de gases foram pondo fora de combate milhares de militares.

Apesar da resistência heroica, foi impossível aos soldados portugueses, sem reforços, suster aquela “avalanche” de “boches”, com melhor armamento e em quantidade abissalmente superior.

Quem não morreu nem se entregou, entrou em pânico numa fuga desesperada e sem norte. Em apenas quatro horas de batalha, o general Costa Gomes perdeu 7.500 soldados, entre os quais 327 oficiais e cerca de 100 peças de artilharia.

A própria coordenação dos serviços de saúde tornou-se impossível. Não se conseguia formar uma coluna automóvel de transporte de feridos: o fogo inimigo tinha destruído a maioria dos veículos e os que restaram estavam avariados.

Neste contexto, o Cirurgião-Médico, Dr. Fernando Monterroso, mais uma vez, demonstrou ser um oficial corajoso, proficiente e determinado. Podia-se dizer dele o que disse Ferreira do Amaral (um oficial de carreira que também tinha estado em África e comandou na Flandres os soldados de infantaria de Tomar, Faro e Penafiel) numa indirecta aos oficiais pretensamente patriotas: “Não resolvi ir de repente, no entusiasmo dos vivas e excitado pelo som dos clarins e trombas da guerra, mas por dever de militar".

Nessa altura, Fernando Monterroso, chefiava os Serviços de Saúde da 2ª Divisão sediado em Lestrem e recebeu ordem do comando do XI Corpo do Exército Britânico para se deslocar para Saint-Venant.

Como não conseguiu transporte para essa deslocação e é informado que não há garantias para que em tempo oportuno o consiga, fê-lo a pé e envidou todos os seus esforços para reunir todos os que foi possível encontrar feridos, desorientados ou em debandada.

(…)

Como reza a justificação para ser galardoado com a medalha da “Batalha de La Lys”, a sua decisão salvou muitas vidas, foi considerada heróica e contribuiu para levantar o nível moral das tropas”.

A catástrofe de La Lys, com as suas consequências, as inúmeras perdas de combatentes e humilhações sofridas, transformou-se num pesadelo que fez esquecer no CEP todas as glórias do passado recente na Flandres. E elas não foram poucas!...

(…)

Este sentimento de frustração gerava mágoas profundas, de difícil cura, que eram sempre acompanhadas de queixumes: nas cantinas, nos gabinetes, em todos os locais onde conviviam combatentes, não faltava o dedo acusatório virado para Sidónio Pais, para os “cachapins (os beneficiados da guerra), os ingleses e os oficiais que aproveitavam vir de gozo de licença a Portugal e depois obtinham a desmobilização, com base no decreto nª 3959 de 30/03/1918, conhecido pela lei do “roullement”.



A substituição, ao fim de um ano, das tropas mobilizadas para a Flandres nunca aconteceu. O governo português de Sidónio Pais foi o único que, nas palavras do subchefe do estado-maior do CEP, coronel Ferreira Martins, “infligiu aos seus soldados o suplício intraduzível de lhes dizer que estão ali para sempre até que um tiro, um estilhaço ou uma tuberculose os tire dessa guerra, cuja duração ninguém podia prever”.



Compreendia-se, por isso, que nos duros rostos dos soldados portugueses desaparecessem os apegos que lhes faziam enaltecer a sua pátria e sentir orgulho em cumprir um dever patriótico. Vivia-se, agora, um profundo sentimento de ingratidão, tratamento arbitrário, humilhação, sofrimento e tristeza.

Chegavam-lhes, ao arrepio da censura, notícias da epidemia do tifo e da gripe, também conhecida por gripe espanhola ou pneumónica, que semeavam a morte em Portugal, mas nem isso superava a dor do abandono a que tinham sido votados, a consciência de que já não eram um corpo expedicionário, mas restos esfrangalhados de baterias, companhias e batalhões que, por ordem dos ingleses, eram dispersos por diversas unidades britânicas.

Humilhados pelos britânicos e traídos pela Pátria, em nome da qual eram soldados portugueses que morriam, ficavam mutilados física e psicologicamente, encarcerados ou desaparecidos, sentiam a sua alma de combatentes dizer o que escreveu o Coronel Ferreira do Amaral: “Sidónio Pais tratou-nos como gado de pastagem em montado”.

Foi neste contexto que Fernando Monterroso desabafou numa carta a Francisco Moreira de Magalhães, foi o de ter de reviver os locais e as situações que obrigaram a enterrar à pressa soldados tombados na batalha e assistir à morte inútil dos que foram incapazes de resistir aos ventos frios e húmidos da Flandres, que, com tosses intermináveis, lhes roubava a vida, sem ter ninguém, de perto, a valer-lhes”.

A Batalha de La Lys tem um lado que as comemorações esquecem: a traição dos políticos portugueses daquele tempo aos homens que, ao darem a vida pela sua pátria, deixaram as suas famílias cobertas de preto e muitas vezes na miséria.

É bom não esquecer isto!

domingo, abril 08, 2018

 

Apareçam!

Adicionar legenda
Bons amigos, apareçam!
Dia 14, próximo sábado, pelas 10h30, no auditória da Biblioteca Municipal de Amarante, o prof. Doutor Eugénio dos Santos vai proferir uma palestra-debate sobre esse grande tribuno, a “Aguia do Marão”. O tema é “António Cândido, entre a política e a eloquência”. Tudo isto tem muito a ver com o nosso tempo: os encantos e os desencantos da política, o espírito de serviço e os interesses de ocasião, o sentido de Estado e o sentido das conveniências.
A iniciativa é dos “Cidadãos por Amarante.” Apareçam, porque vale a pena!
A seguir há um almoço, para o qual estão desde já convidados. É no Restaurante Amaranto e haverá fados de Coimbra, quase do tempo de António Cândido. Apareçam que vão gostar e encontrar gente boa, como são sempre os meus amigos. Estão todos convidados! É só marcar presença pele telefone 910 573 366 ou 255 422 006


domingo, abril 01, 2018

 

Aniversário do Concelho do Marco de Canavses

Finalmente a Câmara Municipal do Marco de Canaveses reconheceu o valor fundamental do exercício da cidadania. A Associação dos Amigos do Concelho do Marco (que existe há 19 anos) foi pela primeira vez convidada para participar na sessão solene do aniversário do Concelho. Nestas efemérides foi sempre marginalizada e diga-se de passagem por quem tinha a obrigação de lhe reconhecer o mérito. Só diz bem da nova Autarca fazer a diferença com o passado. Não há democracia sem cidadania e este reconhecimento institucional do valor da AAMC é o melhor estímulo para a continuação da sua ação. Sentem-se gratificados e honrados todos os que fazem parte dos Amigos do Marco por este convite e podemos dizer que a democracia no Marco de Canaveses torna-se mais rica pelo reconhecimento de que vale a pena exercer a cidadania.


quarta-feira, janeiro 31, 2018

 

O poder desenvolve-se em rede.


Pela sua natureza, o Filósofo vai sempre á frente alumiando os horizontes da vida. Estão publicadas as lições de Foucault do curso que deu em 1976 no Colégio de França, com o título “É preciso defender a sociedade”. Tive a graça de conhecer melhor Foucault por um seu discípulo e também professor do mesmo curso, o meu amigo Prof. Dr. Cândido Agra, fundador da Faculdade de Direito no Porto.
Nessas lições que já li enumeras vezes, sempre aprendendo coisas novas, diz Foucault: “Não se deve olhar para o poder apenas como dominação de um indivíduo sobre outros, de um grupo sobre outros, de uma classe sobre outras. O poder deve ser analisado como qualquer coisa que circula, ou melhor, como qualquer coisa que só funciona em cadeia, em rede. (…) É preciso compreender o poder pelo lado da dominação e não da soberania política ou jurídica, pelas táticas de dominação em rede e clientelares”.
Talvez este caso do Juiz Rangel e outros e do Presidente Vieira se possa compreender melhor, lendo as lições de Foucault e pensando como as redes de dominação e clientelares se apoiam na notabilidade que os “media” vão criando, sem nenhuma justificação ética. Neles está o grande vampiro que se alimenta dos próprios monstros que cria!

sábado, janeiro 20, 2018

 

Façam as reformas, porra!....


Escreveu Klaus Mann: “A barbárie nunca esteve muito longe de nós”. Penso que a consciência desta circunstância traz-nos uma grande responsabilidade. Se é verdade que a natureza humana não é tão boa como pensava Rousseau nem tão má como julgava Hobbes, então o melhor é criar condições para que ela não possa dar largas à maldade que há dentro de si e seja capaz de ser estimulada pelo melhor que nela se encontra.

Bem tudo isto a propósito do que diz, hoje, no caderno do Expresso Jorge Sampaio. Segundo ele “os partidos são pouco activos, somos pouco empenhados, a democracia representativa enfrenta sérios riscos: de credibilidade, em relação à opinião pública, em relação aos cidadãos, ao afastamento dos cidadãos da política, não podemos ignorar isto. (…) Os partidos políticos estão completamente ultrapassados (…) os membros dos partidos pouco passam de 200mil” etc.

O que diz Jorge Sampaio ouve-se todos os dias e todos nós o constatamos! Os partidos tornaram-se grupos de interesses e muitos de nós afastam-se deles como das ruas de má-fama! Já não fazem as mediações necessárias à construção de uma sociedade mais justa e fraterna.

Como é possível que Jorge Sampaio com a sua autoridade política e moral não chame o seu partido à atenção para a ruptura que se está a fazer às mediações que os directórios políticos devem operar entre as bases sociais de apoio ao partido e o governo, escolhendo mais de oito governantes para a lista que vai a votos na distrital do Porto?!... Isso acontece na Coreia do Norte, mas não é esse o modelo de democracia representativa que temos! Como é possível que quem já deu notórias provas de ausência de credibilidade seja repetidamente escolhido para ocupar um cargo numa Concelhia?

Não estaremos perto da barbárie, quando, pouco a pouco, vai sendo destruído o melhor que as gerações anteriores deixaram aos partidos? Que travão se coloca a este desmando?

Não há nada mais frustrante para um cidadão (e deveria ser para um militante de um partido) do que ter de concordar com o aforismo: “falam… falam…falam…, mas não fazem nada!...”

A barbárie é a consequência primeira da ausência de valores, mérito, sentido de Estado e honradez, mas o que fazemos para além de meras considerações retóricas sobre esta situação?

Em vez da retórica, aproveitem a autoridade política e moral que têm para promover nos vossos partidos as reformas necessárias à credibilização dos partidos, da políticos e da acção política, porra!...

sexta-feira, dezembro 15, 2017

 
Ouvi ontem a “Quadratura do Circulo”. Esperava que Pacheco Pereira desenvolvesse uma questão que está ligada à “Raríssima” e a todas as raríssimas que vagueiam por este País, algumas com muito mérito e outras nem por isso! Por que será que os políticos, sobretudo do bloco central, estão sempre encostados a estas instituições? São presidentes, vice-presidentes, têm as suas esposas, os seus filhos e parceiros do partido, nos órgãos sociais, e, por vezes, como funcionários das ditas.
E em épocas eleitorais é um corrupio de governantes, candidatos, etc., para as misericórdias, as IPSS, sempre com elas ao colo. E oiçam os sonantes nomes de gente importante, banqueiros, empresários e advogados de sucesso que ontem Lobo Xavier citou!
A resposta parece-me evidente, mas ninguém fala dela! São os mais marginalizados, os que vivem no limite da pobreza, que dão mais votos e desenvolvem os sentimentos instrumentais. É que esta caça ao voto também desenvolve o sentimento de “piedade” que toca nas emoções da flor da pele dos burgueses e outros fariseus que “não matam uma galinha, mas comem carne de galinha”! É nisto que está o segredo desse frenesim em torno das “raríssimas”. E alguns, como um tal Delgado, são bem pagos como as carpideiras a chorar nos funerais. Mas esta postura tem pouco de fraterna e de humanidade. Só tem o “brilho” que promove tocantes emoções que dão jeito às “razões” da política, dos negócios, de quem quer comprar o Céu com a piedade que lhe falta! Depois, é o escândalo, se é que ele existe, porque tudo isto, nos media e nas redes sociais, parece funcionar como sumidouro do espetáculo da luta ideológica e partidária.
Quanto tempo teremos ainda de esperar para que os pisados por este cínico espetáculo acordem e se levantem do chão onde os pisam?!...

This page is powered by Blogger. Isn't yours?