sábado, fevereiro 25, 2017

 

Pessoa não é uma coisa abstrata!


A cidade é para as pessoas, diz quem mandou colocar parcómetros por todos os sítios da Cidade. Mas, o que significa “pessoas” para essa gente?!... Não significa a pessoa de facto, a que tem horas para chegar ao emprego, que tem direito ao espaço público, que precisa de estacionar o seu carro junto à sua residência sem ter de pagar mais um imposto, etc. Falar em pessoas, mas com a “barriga cheia”, carro ás ordens, lugar na garagem, estacionamento disponível, não andar a correr para não deixar passar os minutos disponíveis para o estacionamento, não recear a multa dos jovens da sacola, é uma demagogia chocante. Não interessa considerar que há pessoas de iure, sem se respeitar as pessoas de facto.

Pode ser que entendam isto, se as pessoas da cidade do Porto, lhes fizer um manguito na hora de votar.

quinta-feira, fevereiro 23, 2017

 

tudo democrático!

Não sei que virus terá atingido os autarcas que agora querem tornar cada vila, cada cidade, num pacómetro. E mais escandaloso é que há autarquias onde vereadores, deputados da assembleia, presidentes de junta, etc. têm ( e só eles!) cartão de estacionamento livre, o que significa que reconverteram a frase de Luis XIV "O estado sou Eu" numa outra "O espaço público, somos nós". E pensam que isso é muito democrático!
Parece ter razão um amigo, quando, hoje, no Marco de Canaves, me dizia "até nisto se vê que andam todos ao mesmo!"
Frase que me doi, e muito, por me lembrar do que acontecia há dez anos atrás, com o estilho caudilhesco que julgava definitivamente ultrapassado.

terça-feira, fevereiro 21, 2017

 

Tabuado

Tabuado

Igreja Românica de Tabuado


É talvez a mais interessante freguesia do Concelho do Marco de Canaveses. Por ali passou uma via romana e uma das rotas que levava os peregrinos até Santiago de Compostela.
Sabemos que foi vila e, possivelmente, desenvolvida sobre os alicerces de uma antiga citânia. As vilas surgiam geralmente assim. Com a reconquista cristã, feita por aqueles que colocavam o hábito sobre uma armadura e, confiantes de que “Cristo velava pelos seus”, correram com os mouros, Tabuado foi entregue aos cavaleiros monásticos da Ordem dos Templários.
O local deveria ter sido estratégico, porque o seu topónimo sugere ter recebido o nome da armação de tábuas, o “tabulato”, que era aí colocado para servir de alvo no treino militar. E pode ser que o “Heremita de Tabulato”, a que se refere Alexandre Herculano,  seja o cruzado zelador desse centro de treino.
Os Templários terão seguido o modelo de organização da nação como era discutido nas cortes. Nessas reuniões, tinham assento nobres, bispos, abades de mosteiros e de outras ordens. As primeiras terão sido celebradas, entre 1095 e 1108, no tempo do Conde D. Henrique.
Naturalmente, a construção de um mosteiro não visava apenas a dilatação da vida espiritual, mas também significava estender um braço do poder, que se manifestava nas cortes, às terras conquistadas aos mouros.
Os Templários, ao construírem um mosteiro em Tabuado que, em seguida entregaram aos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho, terão aproveitado a jurisprudência tradicional da Vila para a integrar no modelo administrativo que os abades e os bispos conheciam  na corte.


 Torre da Pena

Assim se explica que em frente ao Mosteiro, onde hoje é a igreja, tivesse havido uma mesa e bancos de pedra, onde os homens bons, a quem tinha sido delegado o poder, se reuniam para  discutir as questões da comunidade e tomar decisões. Além disso, dotaram a vila de um juiz ordinário do cível e dos órfãos, que terá exercido o seu poder na torre da Pena. Mas, no âmbito do crime, tinham de responder no concelho de Gouveia-Ribatâmega, ao qual Tabuado pertencia. A torre da Pena sinaliza esse poder,  como acontecia com as torres das casas grandes, como era a de Nevões.
Os conflitos, na disputa de terras entre a ordem religiosa e os fidalgos, obrigou D. Afonso Henriques a confirmar, por carta de couto, a posse pelo convento das terras de Tabuado.
Mas a disputa de terras não terá terminado. D. Afonso III, em 1258, empreendeu inquirições por todo o reino para que os seus enviados verificassem “in loco” quais as terras que se encontravam em posse indevida do Clero ou da Nobreza.
As melhores informações sobre a história destas terras, vêm, por isso, das inquirições reais, que foram em 2014 compiladas em dezenas de volumes com a designação de memórias paroquiais. 


 Torre de Nevões

Tabuado foi Vila e Couto. Segundo Pinho Leal (“Portugal Antigo e Moderno”), o primeiro senhor de Tabuado foi Diogo de Barros. Pelo casamento de uma das suas netas, a sétima, com Sebastião Pereira Correia Montenegro este tornou-se no primeiro morgado de Tabuado, residindo no Solar da Torre de Novões.
No séc. XII, terá havido em Tabuado dois templos: um dedicado a Santa Maria e outro ao Salvador, uma referência a Jesus Cristo, muito invocado pelos cruzados. Só este chegou até ao nosso tempo e é o orago da Igreja românica que actualmente existe.
A igreja possui uma monumentalidade que a torna num dos melhores exemplos da época românica. Dispõe de uma pintura mural da imagem de Cristo Salvador que é exemplar único.
No séc. XV, a pedido do bispo do Porto, o papa Sisto IV, que foi responsável pela instituição da terrível inquisição em Espanha, terá sido chamado a resolver uma querela de disputa de interesses ligados às terras de Tabuado entre clero e fidalgos. Resolveu a questão, reduzindo o couto a uma abadia secular e entregou-a ao bispo do Porto, mantendo, por outro lado, o direito de padroado ao morgadio dos Montenegros.
Tabuado passou, então,  sob o ponto de vista eclesiástico a pertencer ao concelho de Canaveses e à diocese do Porto, mas sob o ponto de vista administrativo, em 1736, ainda pertencia à comarca de Guimarães e ao concelho de Gouveia-Ribatâmega. Depois fez parte do concelho de Soalhães e com a reforma liberal do século XIX foi integrado, com a designação de freguesia, no concelho do Marco de Canaveses.
As muitas capelas que se localizam em Tabuado sinalizam que a freguesia recebeu importante influência de ordens religiosas e teve destaque no apoio a peregrinos.
As personalidades ilustres de Tabuado foram muitas e muitas são as narrativas em que estão envolvidas. Convém, no entanto, lembrar que em boa verdade, todos os escritos que se conhecem anteriores à fundação da Academia Real de História, no séc. XVIII, têm carácter proselitista, estão mais próximos das lendas do que da história. E mesmo, quando D. João V, a pedido de D. António Caetano de Sousa e de D. Francisco Xavier de Meneses, criou a academia, em 1720, foi para fazer biografia fantasiada de reis e fidalgos e não para narrar factos objectivos. A história foi sempre uma das perspectivas possíveis  do que aconteceu e há sempre muita dificuldade em encontrar a história do passado, desprovida de fantasias.
Entre as personalidades do século passado que mais prestigiaram Tabuado, conhece-se Fernando de Miranda Monterroso, médico e herói das campanhas de pacificação em África e herói da Grande Guerra; Costa Santos, notável Médico; Borges Araújo, notário e advogado; Amadeu Marramaque, presidente da Câmara do Marco; Ramiro Afonso Pontes, advogado e conservador do Registo Civil, um dos fundadores da PROMARCO, a quem se deve a estrada que liga duas aldeias da Serra da Aboboreira,  e um dos últimos social-democratas que o Concelho conheceu; António Joaquim Monteiro, jornalista e poeta, etc.
Não pretendemos esgotar o muito que há a dizer sobre Tabuado, mas apenas despertar a memória desta Terra, cientes de que quanto melhor a conhecermos, melhor nos sentimos identificados com as nossas raízes.


domingo, fevereiro 19, 2017

 

As instituições estão em crise

 
 A grande ameaça à democracia está no seu interior, não vem de fora. Precisamos de compreender a estratégia de Trump, por que não é só o imbecil do ricaço que está em causa. Há gente atrás de Trump que tem objectivos para os E.U. e o mundo. Percebe-se que a estratégia se apoia na criação do medo e da incredibilidade, uma forma hábil para não se distinguir a verdade da falsidade, o certo do errado. Reparemos só em duas questões: por que é que os cidadãos acreditam que os emigrantes são uma ameaça para os E.U. , um nação feita por emigrantes?!... Por que é que as mentiras de Trump  são apresentadas como factos alternativos?!...

Só os Tribunais e a imprensa têm feito frente ao embusteiro. Nos partidos, tanto republicano como democrático há vozes tímidas e não um combate contra a destruição dos ditos valores americanos tantas vezes apregoados.

Mas o estilo Trump não apareceu subitamente: foram sendo cridas as condições para que um Trump aparecesse. Tamb´+em por cá essas condições já existem. Andam por aí, sobretudo pelas autarquias, muitos candidatos a Trumps e parece que lhe vão dar ainda mais poderes. O que se passa em muitas assembleias municipais já nada tem a ver com a democracia e muito menos com o que chamam poder local. Onde há maioria o presidente da assembleia não deixa falar a oposição. E até chega a dizer “isto aqui não é a assembleia da república!” Fazem-se coisas que bradam aos céus e com mais poderes os trumps crescerão como cogulmelos!

Precisamos de entender o desinteresse, o descrédito e a ausência de valores na política.  Estou a ler Zygmunt Bauman. Chama a atenção para o aparecimento nas sociedades contemporâneas de um estado líquido, sem vínculos, sem valores, onde tudo é verdade e mentira.É um critico da “sociedade em rede”, que, segundo ele, alimenta esse estado.

Zygmunt Baunn faleceu há pouco tempo. O seu pensamento é luminoso:  é talvez a maior autoridade para se perceber o que se passa neste mundo pós-moderno.

Estou a ler um diálogo  que ele e Leonidas Donskis: “Cegueira Moral”. Mas amanhã vou ver se compro o seu último livro “Estado de Crise”.

sábado, fevereiro 18, 2017

 

Os outros não são unidades estatísticas

Não me interessam as intenções de Marcelo Rebelo de Sousa. Interessa-me que vá dizendo pelo seu exemplo que o mal de um País, de uma governação, não é ter o apoio do PC ou do BE, mas o sofrimento, a tristeza dos sem-abrigo, dos mais pobres dos pobres. O Presidente da República deixa-nos uma lição que deveria fazer história: o mal de um Nação começa por estar dentro dela, quando há indiferença, quando os cidadãos deixam de reagir ao sofrimento dos outros, dos que têm a mesma dignidade que qualquer político, mas vive como se não tivesse nenhuma dignidade.
Só isto basta para que me sinta desconfortável em não ter votado em Marcelo Rebelo de Sousa. No fundo, sinto que ele nos diz que o inferno não está nos outros, mas em nós, quando nos falta a sensibilidade ao sofrimento dos nossos semelhantes, quando não damos a mão à solidariedade, quando não entendemos que o bom governo é diminuir o sofrimento dos que mais sofrem.
Oxalá que este novo paradigma, o do exemplo que está a dar o mais alto responsável da Nação, tenha seguidores! É que as pessoas não são unidades de estatísticas, o Estado não é um negócio, a política uma arruaça e o sofrimento uma banalidade.

quinta-feira, fevereiro 16, 2017

 

Cavaco Silva nunca foi de confiança!


Cavaco Silva perdeu uma importante oportunidade: explicar as razões que o levaram s ser accionista da Sociedade Lusa de Negócios (SLN) detentora do Banco Português de Negócios (BPN) entre 2001 e 2003, altura que ainda não era Presidente da República. Como teve um ganho ao sair teve um ganho de 147,5 mil euros. E como conseguiu a sua filha Patrícia nessa mesma sociedade um de 209,4 mil euros. Nem explicou as suas relações com o bando do saque do BPN!

Bater no Sócrates é fácil e só os fracos batem nos que ficaram na lama. Assinalar o papão do BE e do PCP é próprio de quem não passou pelo 25 de Abril

Não tenho nenhum respeito por este ex-presidente, o mais cínico da história de Portugal

segunda-feira, fevereiro 13, 2017

 

Deixem a Baiana em paz!

Pelo que leio, alguns protocandidatos à Câmara do Marco de Canaveses ainda não deram conta que há marcoenses. E este foi o grande flagelo do  nosso Concelho, que ainda não está coberto por saneamento público e tem problemas enormes, desde o da água aos cuidados de saúde. Pensam que o Marco de Canaveses é só Carmem Miranda e a Gala do Desporto?!...


É uma espécie de defesa da política pimba!


Naturalmente, haverá quem a propósito disso faça negócio com peças de ourivesaria ou porcelana, mas o retorno para o Marco de Canaveses não é nenhum.


Cármen Miranda detestava o Marco e Portugal. Só por ter nascido na Légua não valia a pena fazer dela um instrumento de propaganda política. E nada de original há nisso! Apenas segue a estratégia que o assessor das cartas anónimas sugeriu a Ferreira Torres: que a tornasse bandeira da sua propaganda caciqueira.


Eu estava na Câmara, (Comissão Administrativa), quando a documentação sobre Carmem Miranda foi para lá enviada. Na altura, sugeri que fosse posto uma placa na casa onde nasceu e mais nada.


O seu pai, barbeiro, que usava por generosidade um espaço da casa do capitão Assis, emigrou para o Brasil para fugir à miséria que se vivia em Portugal. A sua esposa, Maria Emília, ficou, porque estava grávida. Aguardou, por isso, o nascimento da filha e mal recebeu carta de chamada, seguiu o caminho do marido, acompanhada da filha mais velha, Olinda e de Cármen, tendo esta menos de um ano de idade.


Carmem Miranda, por circunstâncias que não vale a pena descrever, tornou-se célebre e com passaporte brasileiro acabou por fazer carreira na Broadway. Não gostava de Portugal e chegou a afirmá-lo. E não é para admirar: os seus pais fugiram da miséria que nesse tempo se vivia no País onde nasceu. A monarquia estava agonizante e o País na bancarrota.  Regressar ou até falar de Portugal, era lembrar a terra que a obrigou a fugir da miséria e as convulsões  da primeira república. E, quando estava no apogeu da sua carreira, 1930-1950, a terra onde nasceu era gerida por um ditador, não havia liberdade, perseguia-se por delito de opinião e a arte, a música e o cinema tinham de ir à censura. Nesse Portugal pobre e triste, a forma como ela se apresentava em palco era um atentado aos bons costumes. Nessa altura, até se ia a Fátima descalço, o que levou, mais tarde, Salazar, em vez de oferecer calçado, proibir andar descalço nas ruas.


Agora, há gente que não percebe que a propaganda a Carmem Miranda só serve o populismo e a demagogia. Não serve, por certo, os interesses da boa imagem dos marcoenses, nem de Portugal. Talvez só sirva os interesses de Salazar, porque este representa os governantes que criam as condições para que os cidadãos, tal como o pai de Carmem Miranda, tenham que emigrar.


Por favor, deixem a Baiana em paz!


Esta política de instrumentalizar Cármen Miranda só deprime quem gosta da sua terra, é democrata e quer orgulhar-se de ser português!


Temos tantos marcoenses com imenso valor, muitos foram grandes beneméritos da nossa Terra, e continuam esquecidos. Por que será? Será porque não dão votos?!...





sexta-feira, fevereiro 10, 2017

 

Até sempre Ernesto!

Mais um amigo que partiu, sem dizer adeus. O Ernesto da Costa Fernandes foi sempre um bom amigo, um irmão. Desencontramo-nos durante quase meio século até que um dia, num almoço de curso, festivamente apertamos um abraço. Foi nos Olivais, onde eu estive depois de frequentar um colégio e ele depois de se licenciar em economia. Parece que sinto a sua voz de madeirense no meu peito: “ó Primo como foi bom encontrar-te!” Tratava-me por “primo” e era assim que gostava de ser tratado.
Em tempos de escuridão, quis, como eu, fazer uma experiência de vida junto dos que mais sofriam: eu trabalhei como operário na SPEL e ele conseguiu autorização para estar junto de presos numa cadeia durante um mês. Deixamos o Seminário no mesmo ano: ele foi para a Madeira e eu para o serviço militar.
No verão passado, alguns ex-colegas visitaram-me, mas ele já não pode aparecer. A terrível doença que o levaria a partir, hoje, na unidade de oncologia do Centro Clínico Champalimaud, não o deixou encontrar-se comigo, mas telefonou-me: “logo que melhorar vou ao Porto para estar contigo”.
A notícia chegou agora e por ela escorregou uma noite tão profunda e tão pesada!.. Já não vou encontrar os seus olhos a brilhar na alegria do abraço que trocávamos.
Não merecia que tivesses partido!

quinta-feira, fevereiro 02, 2017

 
Escrevi este texto para o blog da Associação dos Amigos do Concelho do Marco. Espero que ajude a conhecer melhor a minha terra

Soalhães terá já existido como povoado muito antes da formação da nacionalidade. E a sua toponímia recebeu-a de sunilanis ou suylanes, palavra que deve ter a ver com o facto de ser um local soalheiro, de terras muito férteis e irrigadas. Foi uma vila romana e, por certo, mais tarde ocupada  pelas invasões dos muçulmanos e reconquistada pelos cruzados.  Não é por acaso que um documento de 865 refere a existência em Suylanes de um mosteiro de freiras e frades da ordem de S. Bento.  O seu fundador parece ter sido um tal Sancho Ortíz ou Ortiga que tudo indica ser um importante cruzado que por aqui andasse a defender os cristãos contra os mouros.  Foi buscar ao bispo de Tour, S. Martinho, o patrocínio do Mosteiro, precisamente porque este alto clérigo, que viveu no séc. IV, era filho de um comandante romano e converteu-se ao cristianismo. Muito venerado pelos seus milagres (quem não se lembra do dia de S. Martinho!) e por ter fundado o mais antigo mosteiro conhecido na Europa. E Ortiz terá querido divulgar o exemplo do Bispo e manifestar a devoção que lhe prestava ou pagar-lhe alguma promessa com a construção do mosteiro e a doação, para a sua subsistência, da sua quinta de Ortiz, entre outros bens.
         Seria estranho construir-se um Mosteiro, se por ali perto não houvesse um povoado relevante. Os mosteiros construíam-se sempre fora dos povoados para que os monges não fossem perturbados na sua meditação, mas precisavam sempre que bem perto ficasse um povoado para exercerem testemunho da sua vida espiritual e suprirem as carências necessárias à vida do dia a dia. É até muito possível que esse povoado tivesse derivado da muito remota ocupação da Aboboreira iniciada por povos da pré-história, que as dezenas de mamoas e dolmens dão testemunho.
         Por volta do séc. IX,  na altura em que se julgou terem sido descobertos os restos mortais do Apóstolo Santiago, que deu o nome a Santiago de Compostela, este lugar rapidamente se tornou numa alternativa às grandes peregrinações a Roma e a Jerusalém e ganhou jurisdição religiosa sobre as dioceses da  Galiza.
         Por Soalhães, fizeram caminho muitos dos peregrinos que vinham de diferentes partes, seguindo antigas vias romanas que levavam nomeadamente a Braga, principal entroncamento de peregrinações, da qual se dizia: “ Braga reza… e os céus enchem-se de cânticos e louvores ao apóstolo Santiago”. A capela de Santiago testemunha esse  itinerário de peregrinos.
         O Mosteiro de S. Martinho ganhou muito prestígio e dispunha de rendas abundantes. Só isso justifica que no ano 1029 os frades do Mosteiro tivessem ido a Castela queixar-se ao Rei, Fernando Magno, da apropriação do direito de padroado que lhes queria fazer o cavaleiro secular Garcia Moniz, neto (só no séc. XVI, com o concílio de Trento, apareceu o celibato na Igreja) do bispo Gonçalo Moniz que conquistou o Porto aos Mouros e se achava senhor das terras que iam até Riba Douro.
         Os conflitos de jurisdição de padroados eram frequentes nos séculos XI, XII e XIII. A maioria das terras pertenciam à Igreja e o bispo era uma autoridade não apenas religiosa, mas também politica. Podia decidir a entrega de terras a seu bel-prazer e isso gerava por vezes conflitos. E quando isso acontecia, recorria-se ao Rei e depois ao Papa. Talvez, por isso, em 1103, o papa Paschoal II, numa bula enviada ao arcebispo de Santiago, D. Diogo Gelmires, que tinha jurisdição sobre as dioceses de Braga e do Porto, extinguiu o mosteiro de Soalhães.
         Entregou o padroado do Mosteiro à família Moniz, da qual haveria de fazer parte Gonçalo Viegas de Porto Carreiro, um nobre cavaleiro, que instituiria o morgadio de Soalhães. No ano 1238 já não se fala do Mosteiro, mas de uma igreja diocesana, a Igreja de S. Martinho de Soalhães, que nessa altura dispunha de uma arquitectura diferente da que é hoje: possuía espaços majestosos e uma elegante torre para sinos e relógio, separada do corpo da igreja e com um espaço que servia de aljube. O seu prior, pela importância que tinha a igreja, era Abade com cruz peitoral e isso significava que tinha ascendência sobre outras freguesias. Nesse ano, D. Sancho II retirou o padroado a Porto Carreiro e entregou-o ao Bispo do Porto, D. Pedro Salvador, que, por querer paz, o trocou com D. João Martins de Soalhães, bispo de Lisboa, familiar de Moniz e Porto Carreiro. Por sua vez, este Bispo, que tinha vários filhos, entregou estas terras a Vasco Annes de Soalhães, que foi legitimado filho de D. João Martins, pelo rei D. Dinis, a 18 de Janeiro de 1308. Ficou sepultado na capela-mor da igreja. 
 Igreja de Soalhães

         À medida que o poder real se foi concentrando, os reis promoveram inquirições para conhecer as terras, os seus proprietários e tomarem decisões de entregar terras a nobres da sua confiança. Para afirmar o seu poder D. Afonso III empreendeu as inquirições de 1258 que geraram muitos conflitos entre a nobreza e o clero. D. Fernando, por carta de Julho de 1373 pôs termo a esses conflitos, decidindo doar as terras de Soalhães a Gonçalo Mendes de Vasconcelos, que ali construiu um apalaçado edifício que veio dar lugar ao Solar de Quintã, concluído, tal como o temos hoje, em 1742,  ainda no tempo de D. João V.
         D. Manuel I, por carta do dia 15 de Julho de 1514, concede o foral de Concelho a Soalhães, que passou a abranger as seguintes freguesias: Folhada, Fornos, Mesquinhata, Soalhães, Tabuado e Várzea de Ovelha (Aliviada). Dispõe de um pelourinho e de uma administração da Justiça idêntica á do Concelho de Canaveses. Será talvez interessante saber que foram capitães-mor de Soalhães António Vieira de Magalhães, capitão da companhia do couto de Soalhães em 5 de Maio de 1781, António de Vasconcelos Corte-Real, capitão-mor em 2 de Março de 1795 e Inácio de Moura Coutinho da Silva Montenegro, em 11 de Setembro de 1830, último  a desempenhar este cargo.
         Soalhães é uma das maiores freguesias do Concelho. Ficou célebre por um crime, cometido em 1934, instigado por um bruxo de Ermesinde. Uma jovem epiléptica, que pertencia a uma família pobre do lugar de Oliveira, por “receita” do bruxo foi queimada por familiares na presunção de que ressuscitaria sem os ataques de epilepsia. No julgamento, o advogado de defesa, nas suas alegações, bem implorou aos magistrados que no banco do réu estivesse o verdadeiro autor do crime e não aquela gente humilde que só queria a saúde da sua familiar, mas não foi isso que aconteceu. Os réus foram condenados a pena maior. Por se tratar de gente honrada, o  peso do sofrimento, da revolta e da vergonha fez com que toda a família dessa jovem  desventurada desaparecesse de Soalhães, desconhecendo-se, ainda hoje, o seu paradeiro.
Casa de Quintã - Soalhães
 
        Bernardo de Santareno, pseudónimo do médico de Santarém, Dr. António Martinho do Rosário, era um homem de esquerda, que se preocupava com a sorte dos desfavorecidos. Foi médico junto da frota bacalhoeira portuguesa e conhecia bem os problemas sociais do seu País. O seu interesse por estas questões estimulava-o a escrever sobre as condições de existência da gente mais humilde . Sensibilizado com esta tragédia escreveu o livro “O Crime da Aldeia Velha”, que mais tarde, Cunha Telles, o grande promotor do cinema novo, transformou num projecto  para o cinema e Manuel Guimarães concretizou-o.
         Não é uma “peça” que apouque Soalhães ou o Marco de Canaveses, mas um trabalho de denúncia do regime salazarista, da exploração da ignorância e das crenças. Só por má-fé, numa construção sofistica, se pode tomar esta tragédia pela maldade de uma terra. O que aconteceu em Soalhães poderia ter acontecido numa outra terra qualquer, onde as circunstâncias fossem as mesmas. Soalhães e Marco de Canaveses foram sempre, na sua história, terra de gente boa e de honra e quem dela tem dado má imagem ou nunca teve nela raízes ou foram pervertidos por vigaristas que no Marco estenderam arraiais!

segunda-feira, janeiro 30, 2017

 

Já se estranhava!

Estou a ler o “Flor do Tâmega”. Noticia a inauguração da sede em Amarante da candidatura de Avelino Ferreira Torres. E é estimulante a notícia!... Avelino quis que a sua sede, talvez para evitar mau agoiro, fosse feita com o aspergir de água benta pelo padre de S. Gonçalo, mas este não encontrou hissope que se prestasse a tão devoto serviço. A contrariedade não  desanimou Avelino. Bastava-lhe que o dia da inauguração fosse o dia de S. Gonçalo, mais propriamente no dia em que o Santo foi chamado para o céu, onde andaram os helicópteros que Avelino disponibilizou na última campanha para os amarantinos verem os milagres que ele próprio podia fazer cá em baixo, no chão da Rainha do Tâmega, se é que Avelino não é o próprio santo... É certo que não vai casar velhas, guardar passarinhos e passarinhas, como em menino fez Gonçalo Pereira, enquanto os seus pais iam a uma festa, ou até fazer regressar a peixe as milhares de espinhas que ficaram da deglutição dos que retirou do Tâmega para alimentar os esfomeados trabalhadores que construíram a ponte. Avelino promete, agora, mais do que isso: não vai lançar para o ar os amarantinos com helicópteros, mas pôr pontos nos is: substituir a melodia da orquestra que toca nos arcos do convento pelo caterpílar de picaretas, buldózeres, retroescavadoras e toda essa frenética maquinaria que, durante o seu mandato, colocou o Marco de Canaveses no mapa da Europa. Basta ver os mamarrachos que encheram a vila, os estradões sem saída, o preço da água com a privatização da mesma, o seu modo de estar no futebol, o ar que se respira com ausência de esgotos e outras coisas como processos em tribunais prescritos, cenas do teatro vicentino, ameaças e, sobretudo, uma divida astronómica que o munícipe do Marco lá vai pagando com os aumentos em taxas, etc.
Em suma, com Avelino os amarantinos podem sonhar, esperar o milagre dos pontos no is. Até porque há quem diga que são Gonçalo é um mito criado na idade média pelos dominicanos para aliviar a crueldade da Inquisição. E se foi assim, por que não regressar à vida medieval com outro mito, o mito dos pontos nos is, com ”ciência certa” e bancarrota feita?!...

This page is powered by Blogger. Isn't yours?