segunda-feira, agosto 15, 2016

 

Não pude ir á festa, pá!

Hoje estaria na festa da Senhora da Lapa, em S. João da Folhada. Gosto de lá ir e ficar sentado junto à Capelinha para sentir a espiritualidade que ali se respira. Bem perto da capela só há uma cabana, onde passa férias um amigo de velhos tempos. É um intelectual que dedicou toda a sua vida a questões do ambiente e é, por certo, uma das pessoas que mais sabe e mais publicações tem sobre ecologia.
Não pude aparecer à Festa. Os fumos dos incêndios, as suas pequeníssimas partículas, entraram-me nos pulmões, quando junto a minha casa, de repente, os montes ficaram a arder. Fiquei com uma irritação de tipo asmático, arrepios de frio e alguma febre. Já estou melhor, mas não me encontro em condições para subir à Serra da Aboboreira.
Espero que a Senhora da Lapa e as três pastorinhas, as duas Marias e a Teresa, compreendam a minha ausência.
Em troca, prometo-lhes acabar com um romance que estou a escrever sobre os episódios que se ligaram no tempo do Marquês de Pombal a estas aparições. E há tantas histórias bonitas, de profunda solidariedade, como, por exemplo, a de dar guarida ao foragido acusado de tentar matar D. José, um tal José Policarpo de Azevedo, ali bem perto, no senhorio da Teixeira. Foi o Padre António Castelo Branco, da Quinta do Burgo, que, já nesse tempo, tinha bons vinhos, que o terá ajudado a encontrar esse refúgio. Fê-lo, por obrigação cristã, embora soubesse bem do enorme risco que corria, pois o Marquês dava 10 mil cruzados (uma fortuna) a quem indicasse onde estava o foragido ou quem o tinha ajudado a escapar à morte pela fogueira. É que Sebastião José precisava de obrigar o José Policarpo a dizer que cometeu o crime de tentar matar o rei (que não cometeu) para justificar a armadilha que preparou para, barbaramente, liquidar a família dos Távoras.
E já ouvi de Nossa Senhora um outro pedido: escrever sobre a Associação dos Amigos do Marco no pós Ferreira Torres. Esta já será uma história de desilusão e muita ingratidão e desprezo pelo exercício da cidadania, razão de ser da própria democracia, de que vale também a pena deixar um testemunho. E sei que o bom amigo, Dr. Horácio Salgado, um dos fundadores desta Associação, lá no mundo das Videntes e de Nossa Senhora, ficará satisfeito, porque sente, como eu, que não há democracia sem cidadania.
As prepotências, as injustiças e as ingratidões não acabaram com a morte do Marquês de Pombal nem com a perda de mandato de Ferreira Torres, disse-me a Senhora da Lapa, quando junto à sua Capela meditava sobre tudo isso. E, de facto, assim é, mas só denunciando se pode corrigir os terríveis pecados do delírio do poder.
Nunca mais se aprende que o poder é um instrumento ao serviço dos cidadãos e não um báculo de glória e vaidade dos que se julgam acima da condição humana.

Comments: Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?