sexta-feira, agosto 19, 2016

 

Estamos entregues aos bichos

Estamos a atravessar um lento e corrosivo descrédito do sistema partidário e não se vê quem, de forma livre e responsável, critique esta situação para obrigar a dar à democracia a credibilidade que ela precisa. As autarquias que conheço melhor são as do Marco, Amarante, Porto e Baião.
Para se perceber como funcionam os partidos nestas autarquias, soube há pouco que, num destes concelhos, o presidente chama uma funcionária, diretora de um serviço, e diz-lhe: meta atestado médico, peça a demissão, porque eu tenho de colocar no seu lugar uma pessoa. Noutro concelho há um lugar que vai a concurso, mas já lá está um estagiário que preenche as condições do concurso (feito com esse sentido) e há uma comissão aparelhada para o escolher. Já não falo de entrega direta a elaboração de projetos a gabinetes que foram de vereadores ou a troca entre concelhos desses trabalhos. Os poderes autárquicos suprimem o direito, não estabelecem critérios universais, democráticos, e, na maioria dos casos, o poder exerce-se como no tempo do feudalismo: a oligarquia local partidária substituiu os títulos nobiliárquicos.
Estão-se a preparar listas de candidaturas às autárquicas por cunhas. Procura-se o apoio de figuras chamados notáveis do PS ou do PSD e nos endinheirados da terra para fazer parte das listas e ter um lugar elegível nas mesmas. Faz-se isso, como quem procura um emprego, o emprego do blá...blá... E quase toda essa gente não tem credibilidade nenhuma e nunca esteve ligada a nenhum estrutura ou rede de intervenção social, razão de ser da política. Nalguns casos, são empresários no risco da falência. Mas todos acreditam que os cidadãos-eleitores são marionetas e o que é preciso é puxar os cordelinhos. Mas os eleitores já começam a dar sinais de não suportarem esse papel.
Estou convencido que a esquerda, PC, BE e Verdes, que ganharam muito prestígio neste governo, se fossem mais abertos, se se libertassem de radicalismos extemporários e procurassem entre eles denominadores comuns, tinham, agora, uma boa oportunidade para apresentarem listas únicas de prestígio às autárquicas e varrerem com toda a mediocridade, caciquismo e prepotência que tomaram conta dos destinos do poder local.
Mas serão capaz de fazer isso, para bem da democracia e do prestígio da ação política?!...


Comments: Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?