sexta-feira, maio 20, 2011

 

Que debates?!...

Já não aguento os debates. Não servem para se conhecer as propostas que, apoiadas em dados concretos, sirvam para responder à situação catastrófica em que nos encontramos: são feitos de taticismos e rodriguinhos que não interessam a ninguém.
Precisávamos de saber tanta coisa e tanta coisa fica sem resposta. Por exemplo: vão acabar as nomeações de directores gerais por confiança política? Vai ser criado um tecto de número de assessores por ministério? O que fazer ao desastre económico das parcerias público-privadas? Como criar políticas que criem condições para a independência dos jornalistas e dos meios de comunicação social? Que ideias há para pôr cobro ao facilitismo das escolas e esse embuste das “novas oportunidades” (mesmo com gente arregimentada para dizer o contrário)? O que é que se vai fazer a essa espécie de supermercado de diplomas que se tornaram muitas universidades privadas? Que vão fazer ao desperdício de dinheiros públicos absorvidos por institutos, fundamentações? Por que não é possível, com a lei em vigor, prender os autarcas corruptos? etc.


Ouvi o debate entre Porta e Louçã e Ferro Rodrigues e Fernando Nobre e senti que tinha perdido tempo. Neste último debate, Ferro Rodrigues reduziu os graves problemas do país a uma alteração na maneira de fazer estatísticas, o que é espantoso!


Naturalmente, todos defendem os pobres: o que, com Sócrates, mais há são pobres e são estes que mais votos dão!

Comments: Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?