sexta-feira, abril 13, 2007

 

Todos diferentes, todos iguais

Agradeço ao marcoense Dr. Coutinho Ribeiro ter publicitado um texto significativo da falta de pudor que existe entre responsáveis partidários. Já nada nos pode espantar. A única sensação que, depois de ler o texto, me fica, como marcoense e português, é de ter entrado numa fossa, onde a indignidade se mistura com a obscenidade. E o pior é que não se vê solução para isto!!...

Com a devida vénia transcrevo do http://www.oanonimoanonimo.blogspot.com/o seguinte post.

Ora leiam:


«Esta é, de acordo com o Correio da Manhã de hoje, a transcrição de uma escuta a Valentim Loureiro no âmbito do processo 'Apito Dourado'. Uma conversa com o então secretário de Estado da Administração Local, Miguel Relvas, no governo de Durão Barroso. Leiam com atenção. (...)


"PARABÉNS, MAJOR DISPONHA SEMPRE"

No dia 3 de Novembro de 2003, às 16.22 horas, Miguel Relvas, secretário de Estado da Administração Local, ligou a Valentim Loureiro.

Em causa um problema financeiro na Câmara de Marco de Canaveses, na altura presidida por Avelino Ferreira Torres. Relvas surpreende o major informando-o de que Avelino pretendia concorrer à autarquia de Amarante.

Valentim Loureiro (VL) - Tou.
Miguel Relvas (MR)
- Senhor Major, Miguel Relvas.
VL - Tá bom senhor secretário de Estado, tudo bem?
MR - Tá bom? Olhe, ligue ao senhor presidente da Câmara de Marco de Canaveses, resolvemos aquilo que ele me pediu, e vou propor ao senhor ministro que proponha à ministra o acordo do reequilíbrio financeiro.
VL- Hã?
MR - Vou propor ao meu ministro, já fiz aqui o Despacho.
VL - Tá bem.
MR - A propor o acordo de reequilíbrio financeiro, para depois se mandar para as Finanças.
VL - E que tal, e que tal aquilo?
MR - Correu bem, tá resolvido o assunto.
VL - Óptimo, mas e ele, e ele não se situa mal?
MR - Hã?
VL - Você tinha-me dito que ele que fazia mal em fazer aquilo, pá.
MR - Ele faz mal, mas ele não tem solução.
VL ? Não tem solução?
MR - Não tem solução, ele quer resolver aquilo que é pra depois não dizer que tem dívidas, por causa da candidatura a Amarante, não é?
VL - Ah, mas ele quererá?
MR - Hã?
VL - Ele quer ir pra lá?
MR - Foi o que ele me disse.
VL - Foi o que ele disse, não é?
MR - Disse-me a mim, e tal, que ninguém sabia ainda, que ainda não tinha coisa, e tal, mas que estava a pensar, e que portanto...
VL - Sim, mas não sei se vai ser fácil isso.
MR - Ele veio cá com o vice-presidente.
VL- Hã?
MR - Ele veio cá com o vice-presidente da Câmara.
VL– Ai sim?
MR - Aquilo que ele lhe pediu a si, que me pediu a mim, está resolvido, agora...
VL - Óptimo, obrigado, no que a mim respeita, eu não tenho interesse directo, mas pronto, o homem andava coiso, olhe, óptimo. Parabéns então, e obrigado!
MR - Nada senhor major, um abraço, disponha sempre._


PS.: Como se vê, estamos entregues a bandos.

Comments:
Qual é a surpresa?

Recordam-se das escutas telefónicas do caso casa pia?

Entre muitas outras coisas, recordo-me de alguém prometer dar uma palavrinha ao Pres. Sampaio, ao PGR, etc, etc.
Recordo, inclusive, que alguém dizia que "cagava" na justiça. Portanto, ....


Para memória futura:
http://cassetes20.tripod.com/
 
Penso que há uma diferença entre receber um telefonema e telefonar para dizer que tratou assuntos de Estado como se fossem assuntos de amigos. E mais grave: traindo a luta politica dos seus correligionários. Desapareceu o combate ideológico e os interesses de estado ficaram à mercê do bando de amigos ou de outra coisa qualquer.

Além disso, nunca um eventual erro pode justificar outro
 
Camarada: a abrir o texto, apresenta-me como "maronse"! Creio que queria dizer marcoense...
 
Não se se foi das minhas disgrafias, se do novo teclado sem fios que a minha filha me ofereceu. De qualquer forma, peço as minhas desculpas. Um abraço
 
Camarada: não há motivo para desculpas! E já está melhor: de maronse para marconse. Só falta mesmo um e :-)
 
Vou voltar ao antigo teclado. Olle esvre vi um "e" e apareceram dois. Desconfio que foi este teclecado que pssou os diplomas ao Sócrates!
 
Conhece alguma universidade onde ensinem esse dialecto?

Dificilmente acredito que isto «Olle esvre vi um "e"» seja a sua dislexia em acção!! :-)
 
Boa piada! Já não sei o que diga. Tenho de mudar de teclado
 
Dislexia, talvez não. Mas podia ser disgrafia. Inclino-me mais para distracção ou má sintonização do teclado sem fios com o piloto.

Por vezes, carrego numa tecla não sai nenhuma letra ou saltam duas.

Também concordará que um blog não é uma prova de avaliação, mas de comunicação. E o ditado já diz: para bom entendedor, meia palavra basta!
 
Distracção? Má sincronização?
Modernices, é o que é.
Pobre rato de cauda!!!

Combinado. Escreva com meias ou sem elas, descalço ou calçado, tanto me faz, desde que vá escrevendo pq a comunicação por aqui é agradável.
Se escrever com meias (palavras) opte por umas fáceis que nem sempre, deste lado, há bons entendedores!!

:-)
 
Pelo leio, desse lado entendem bem E isso é que é bom!
Um abraço (sem meias tintas)
 
Estou em dia não. Queria dizer "pelo que leio"
 
É fácil, transforme-o em dia sim. Por vezes é muito simples.
Dê um passeio pela baixa, disfrute do deste dia radioso.
 
Ouvi o seu conselho. Mas o dia não me está a correr bem. A memória «não é só o grande escultor das almas»: é também o veículo que nos devolve um passado triste e chato.
 
A gente não quer votar em Sócrates. A gente não quer votar nos socialistas. Mas vai votar em quem? Nestes filhos da puta, porcos que falam como chimpazés?
 
caro amigo: há mais alternativas: p.ex, abster-se, riscar o voto, não colocar nenhuma cruz e votar em quem os possa chatear.
 
Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?